Silicone nos seios: mitos e verdades

Cidade

A intervenção é uma das mais procuradas pelas mulheres no Brasil, sendo responsável por quase 20% das cirurgias plásticas de beleza

– Os números representam a vontade de grande parte das mulheres brasileiras: colocar implante de silicone nos seios. Mas, colocando a parte estética de lado, algumas questões ainda deixam as mulheres com dúvidas sobre encarar o procedimento ou não. O Dr. Rogério Fenile, mastologista e ginecologista, especialista em cirurgia de reconstrução mamária, responde as principais perguntas sobre a cirurgia:

  • O implante de silicone dificulta ou impede a amamentação?

Mito: o implante é realizado abaixo do músculo ou das glândulas responsáveis pela amamentação. Por este motivo, a amamentação pode ocorrer normalmente. As mulheres que pretendem engravidar devem esperar um pouco após a cirurgia, pois recomendo que a amamentação seja feita ao menos três meses depois do implante.

  • Mulheres com implante perdem a sensibilidade?

Mito: a possível perda da sensibilidade nas aréolas ocorre temporariamente somente se a prótese for maior do que a anatomia da paciente permite.

  • A chance de câncer de mama aumenta com a prótese?

Mito. o silicone não interfere nas chances de desenvolver câncer.

  • O silicone dificulta o diagnóstico do câncer de mama?

Mito: mesmo em fases iniciais, o câncer pode ser detectado caso a paciente tenha implantes mamários.

  • A prótese interfere no autoexame?

Mito: ao contrário, as mulheres com implantes percebem com maior facilidade a presença de nódulos já que a prótese facilita a realização das manobras.

  • A mamografia é mais complexa em pacientes com implantes?

Mito: a prótese não interfere na mamografia. É sempre importante avisar na hora do exame sobre o implante.

  • Pacientes oncológicos têm complicações no tratamento em função da prótese?

Mito: as próteses mamárias não atrapalham o tratamento quimioterápico ou radioterápico e os implantes são utilizados para a reconstrução mamária nos casos de cirurgia para remoção do tumor.

Dr. Rogério Fenile é Mestre e Doutor em Ciências Médicas pela Disciplina de Mastologia do Departamento de Ginecologia da UNIFESP e membro titular da Sociedade Brasileira de Mastologia. É especialista em cirurgia de reconstrução mamária, com mais de 20 anos de experiência médica. Para saber mais sobre o seu trabalho, acesse www.drrogeriofenile.com.br ou @drrogeriofenile nas redes sociais.

Comente sobre esta matéria ;)