Mônaco promove iniciativas sustentáveis em diversas áreas

Cidade

 

Grimaldi Forum Crédito: Monaco Government Communication Department

Grimaldi Forum. Crédito: Monaco Government Communication Department

Existem várias iniciativas sustentáveis sendo desenvolvidas em Mônaco. Veja abaixo uma lista com algumas ações que o principado e instituições vêm implementando no país:

Prince Albert II of Monaco Foundation

Em 2006, o H.S.H. Prince Albert II fundou a Prince Albert II of Monaco Foundation, dedicada a preservar o meio ambiente e promover o desenvolvimento sustentável em escala global. A fundação apoia iniciativas públicas e privadas e foca seus esforços em três áreas principais: mudanças climáticas e desenvolvimento de energias renováveis; biodiversidade; e gerenciamento de água (como o acesso universal à água limpa e luta contra a desertificação), atuando principalmente no mediterrâneo, regiões polares e países subdesenvolvidos da África, da América do Sul e do sudeste asiático. Desde seu início, já foram mais de 420 projetos financiados.

A missão da fundação não é apenas estabelecer parcerias e executar projetos, mas também despertar a consciência das pessoas e autoridades sobre o impacto da atividade humana no meio ambiente e encorajar comportamentos mais sustentáveis.

Os projetos apoiados pela fundação são bastante diversificados, abrangendo desde o combate ao desmatamento até desenvolvimento de áreas marinhas protegidas ou mesmo de cunho social, entre muitas outras ações. Não apenas em outros países, há também iniciativas no próprio principado, como o pacto “Wood Forever”, que encoraja a indústria de iates em Mônaco a usar madeira de florestas sustentáveis. Mais informações

Monaco Ocean Week

A primeira edição do evento aconteceu em 2017 e reuniu stakeholders locais e internacionais focados em uma causa: a proteção dos oceanos. Um manifesto foi assinado ao final do evento por diversas autoridades para recordar o papel decisivo dos oceanos no equilíbrio climático e para a vida dos habitantes de todo o planeta. Os stakeholders também foram capacitados para ajudar na preservação dos oceanos e no desenvolvimento de áreas marinhas protegidas. Mais informações

Santuário Pelagos

O acordo Pelagos foi assinado por Mônaco, França e Itália no final do século XX para a criação de um santuário marinho de 87.500 Km². O objetivo é proteger os mamíferos e seu habitat de impactos negativos da atividade humana, como poluição, colisões entre navios e animais, distúrbios, entre outros. Mais informações

Trilha por árvores históricas

Como parte do comprometimento do principado contra o desmatamento, há uma trilha por árvores históricas de Mônaco, elaborado pela Prince Albert II of Monaco Foundation e pela associação MC2D. Além de sua beleza, as árvores ilustram as ações de entidades monegascas contra o desmatamento. Há informações sobre cada árvore e o caminho passa pelo Jardin de La Petite Afrique, além de outros jardins emblemáticos como o Jardim Japonês e a Villa Sauber. Mais informações

Campanha The Bag For Life

Mônaco baniu a utlização e venda de sacolas plásticas descartáveis. Para ajudar na redução do plástico, cada casa monegasca recebeu uma sacola de pano reutilizável, feita com materiais naturais e biodegradáveis. Mais informações

Monaco Explorations

A iniciativa, que foi lançada em 2017, reuniu um grupo de cientistas e especialistas em ciências humanas e da natureza, que participará de expedições científicas para estudar o impacto de atividades humanas e a relação de diversas culturas com o mar. À bordo do barco Yersin, o grupo completará uma circunavegação do globo em um período de 36 meses. Mais informações

Monitoramento

Há 20 anos, o principado instaurou uma rede de controle de qualidade do ar com seis estações de monitoramento. Fazendo essa medição contínua, é possível emitir avisos de poluição e verificar a qualidade do ar a longo prazo e os resultados são comunicados ao público geral por meio de telas localizadas na entrada do país.

O principado também monitora a qualidade física e química das águas costeiras com base em medições repetidas de todos os componentes do ambiente marinho (massas de água, sedimentos e organismos vivos), assim como monitora os efeitos de eventos naturais ou atividades artificiais que podem afetar a qualidade da água. É importante ressaltar que a baía de Mônaco inclui duas áreas protegidas, a Larvotto Reserve, criada em 1976, com uma área de 30 hectares, e a submarina Spelugues, com cerca de 1.9 hectares, criada em 1986 e casa de diversas espécies marinhas.

Grimaldi Forum

O centro é eco-responsável desde o início e em 2008 se tornou um dos primeiros centros culturais e de conferência europeus a obter o ISO 14001:2004. Sua política verde se tornou uma das principais partes de sua estratégia corporativa. O local oferece soluções concretas para organizar eventos verdes customizados. Mais informações

Monaco Scientific Center

Foi fundado em 1960 pelo Príncipe Rainier III com o objetivo de promover pesquisas oceanográficas e apoiar organizações governamentais e internacionais responsáveis pela proteção e conservação do ambiente marinho. Desde 1989, o centro se especializou em estudar a função de ecossistemas coralíneos em relação às mudanças climáticas. Os times são divididos em três grupos: departamento de biologia marinha, departamento de biologia polar e departamento de biologia médica. Mais informações

No Brasil

Mônaco também investe em uma iniciativa sustentável em terras brasileiras. Em parceria com o Movimento Greenk e com a Prefeitura de São Paulo, o escritório de turismo do principado presenteou a cidade de São Paulo com os primeiros 15 coletores públicos de lixo eletrônico. Os pontos de coleta começaram a operar no final do mês de maio e em dois meses já foram coletados mais de 1.2 tonelada de lixo eletrônico. Como praticamente todo o resíduo eletrônico pode ser reaproveitado como matéria-prima para as indústrias, esta quantidade de matéria-prima reutilizada gera resultados diretos de benefícios ambientais equivalentes a uma redução de 415 Kg de gás carbônico e 4.174 kW/h de energia economizada.

Os paulistanos estão convidados a se engajar e participar do projeto levando materiais eletrônicos  (computadores e notebooks, impressoras, celulares, tablets, monitores, acessórios, cabos e outros equipamentos eletroeletrônicos de pequeno porte) em desuso ou quebrados nos pontos de coleta, que podem ser encontrados nos seguintes endereços:

1) Parque Ibirapuera – Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Portão 3
2) Parque Trianon – Rua Peixoto Gomide, 949
3) Parque Prefeito Mario Covas – Avenida Paulista, 1853
4) Parque da Independência – Avenida Nazareth, s/n
5) Parque do Chuvisco – Rua Ipiranga, 792 – Jd. Aeroporto
6) Parque Lina e Paulo Raia – Rua Volkswagen, s/n
7) Parque Buenos Aires – Av Angélica, 1.500
8) Parque do Povo – Av. Henrique Chamma, 420
9) Parque da Aclimação – Rua Muniz de Souza, 1.119
10) Parque Burle Marx – Av. D Helena Pereira de Moraes, 200
11) Parque Piqueri – R. Tuiuti, 515
12) Parque do Carmo – Av. Afonso de Sampaio e Sousa, 951 – Itaquera
13) Parque Vila Guilherme /Trote – Rua São Quirino, 905
14) Sede da Prefeitura de São Paulo – Viaduto do Chá, 15 – Centro
15) Prédio da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente – Rua do Paraíso, 387

Mapa dos pontos de coleta de e-lixo

Para saber mais sobre Mônaco, acesse www.visitmonaco.com e o site Bureau Mundo, escritório virtual da GVA: www.bureaumundo.com.

 

Comente sobre esta matéria ;)