Câncer infantil X câncer de adultos

Cidade

.:: DIA MUNDIAL CONTRA O CÂNCER ::.

 

Câncer infantil X câncer de adultos

Entender as diferenças pode facilitar a jornada da família pelo diagnóstico

 

Recente pesquisa mostra que 45% dos entrevistados acreditam que os cânceres que acometem crianças e adolescentes são iguais aos de adultos

O diagnóstico do câncer é uma notícia que afeta toda a família. O câncer infanto-juvenil é ainda mais delicado visto que o desconhecimento sobre a doença ainda é grande. Para conscientizar a população são comemorados o Dia Mundial Contra o Câncer (04) e o Dia Internacional da Luta Contra o Câncer na Infância (15). Neste ano a atenção se volta para a importância em conhecer a diferença entre o câncer infantil e os cânceres que afetam os adultos, já que segundo o Institucional Nacional do Câncer (INCA), mesmo com alto índice de cura, as neoplasias na infância são a segunda causa de morte em crianças e adolescente de 1 a 19 anos incompletos, perdendo apenas para causas externas como acidentes e homicídios.

 

O câncer ocorre quando há o crescimento desordenado de células do corpo humano, que invadem tecidos e órgãos. Esses tumores tendem a atingir as células que constituem os órgãos, causando câncer de mama, pulmão e próstata, por exemplo. Já os cânceres infantis frequentemente atingem o sistema hematopoiético (sanguíneo), o sistema nervoso central e os linfonodos. Os tipos mais comuns são a leucemia (câncer no sangue), os linfomas (câncer que atinge o sistema linfático) e os tumores cerebrais. Além desses, os tumores como o de Wilms, que acomete os rins, o neuroblastoma, e o retinoblastoma, um tumor ocular, são praticamente exclusivos de crianças e muito raros em adultos.

 

Além dos aspectos clínicos, o câncer em um adulto pode ocorrer a partir de uma mutação em resposta aos fatores ambientais, como fumar, não se exercitar e os hábitos alimentares. “Nas crianças e nos adolescentes, 90% dos casos são aleatórios, ou seja, sem nenhum fator de risco associado conhecido”, explica Dr. Cláudio Galvão de Castro Jr, Presidente da Sociedade Brasileira Oncologia Pediátrica (SOBOPE) e Chefe do Serviço de Oncologia e Hematologia Pediátricas do Hospital da Criança Santo Antônio.   

 

Desconhecimento é o maior vilão

Uma pesquisa recente realizada pela SOBOPE, em parceria com a Bayer, em cinco capitais brasileiras (Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília), com 2.500 entrevistados, mostrou que 68% apontam de forma correta os tipos mais comuns de câncer na infância, mas ainda assim, para 45% dos entrevistados, o câncer que acomete crianças é igual ao que acomete adultos.

 

“Esse dado demonstra que uma fatia dos brasileiros ainda não tem um conhecimento mínimo sobre o câncer infanto-juvenil, além de estarem apegados a uma visão equivocada sobre essa doença. O câncer em crianças, mesmo muito agressivo, tem uma das maiores taxas de cura, chegando até a 75% de chance quando detectado precocemente. Isso porque o diagnóstico precoce proporciona uma resposta melhor aos tratamentos atuais”, complementa o especialista.

 

Somente em 2017, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou que até 12,6 mil crianças e adolescentes brasileiros pudessem ser acometidos pelo câncer infanto-juvenil. Para complementar as ações do Dia Internacional da Luta Contra o Câncer Infantil e detectar a doença precocemente, é preciso ficar atento aos sinais que, num primeiro momento, são similares ao de doenças comuns, mas que merecem um cuidado especial quando persistem. Entre os sinais que merecem atenção, o INCA destaca:

 

  • Palidez, hematomas ou sangramentos, dores ósseas
  • Caroços e Inchaços – Atenção redobrada se forem indolores e não apresentarem febre ou sinais de infecção
  • Perda de peso inexplicável ou febre, tosse persistente ou falta de ar, suor noturno
  • Alterações oculares – pupilas esbranquiçadas, estrabismo que surgiu há pouco tempo, perda visual, hematomas ou inchaços ao redor dos olhos
  • Inchaço abdominal
  • Dores de cabeças incomuns ou persistentes, acompanhada de vômito quando muito grave e que demonstra piora ao longo dos dias
  • Dor em membros ou dor óssea, inchaço sem trauma ou sinal de infecção
  • Fadiga, vontade de não fazer nada, se isolar
  • Tontura, perda de equilíbrio ou coordenação

 

“Entendendo esses sintomas, os pais podem prestar uma atenção mais cuidadosa nas dores e reclamações de seus filhos, o que, em teoria, pode diminuir o tempo entre o primeiro sinal de alguma doença, seu diagnóstico e uma possível cura” finaliza o médico.

 

Comente sobre esta matéria ;)