Retomada de atividades pode gerar episódios de febre e diarreia

Saúde

Após período em isolamento social, a resposta do organismo à reinserção em novos ambientes deve ser acompanhada de perto por pais e responsáveis

Alguns meses se passaram desde que a pandemia da COVID-19 chegou ao Brasil, aumentando o receio das pessoas saírem de casa e contribuindo para o isolamento social. Aos poucos, algumas atividades rotineiras estão sendo retomadas, levando em consideração todas as medidas de segurança recomendadas pelos órgãos de saúde1. A visita de locais abertos, como parques, e a retomada das aulas estão entre as principais ações discutidas nesta volta.

O retorno gradual às atividades do dia a dia é um fator importante para a saúde mental das crianças2. Um estudo conduzido pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em parceria com a Federação das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) indica que a quarentena gerou alterações de comportamentais em 88% das crianças brasileiras, tais como oscilações de humor, ansiedade, irritabilidade, depressão, tristeza, agressividade e aumento de apetite3. Mas, depois deste período em casa, os pais devem estar atentos a outro fator: a resposta do organismo infantil à reinserção ao ambiente externo.

“Uma criança que está há quase seis meses sem contato regular com o ambiente externo e o convívio social reduziu o seu contato com agentes, como bactérias, por exemplo, que movimentam a defesa natural do sistema imunológico4. Por isso, o retorno a essas atividades pode ser uma porta de entrada para cargas virais”, indica o pediatra Marcello Pedreira, Coordenador do Núcleo de Especialidades Pediátricas no Hospital Sírio-Libanês.

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), febre, coriza e diarreia são os sintomas de quadros virais iniciais mais relatados pelos pais e comuns após o contágio por doenças como o rotavírus5, um dos agentes virais mais incidentes em grupos com menos de 5 anos no mundo, particularmente nos países em desenvolvimento6. “É comum que a família chegue ao consultório relatando que a criança está mais quieta, com dores na barriga e febre, sintomas clássicos de episódio virais ainda no início”, afirma o pediatra.

Preparação para o retorno

Ainda que brando os quadros virais, como gripes ou viroses gastrointestinais, podem reduzir a imunidade e facilitar a chegada de infecções bacterianas, principalmente quando o organismo está previamente debilitado ou suscetível. Por isso, de acordo com o especialista, é importante que os pais realizem uma preparação para a retomada. “Um longo período em casa pode trazer algumas mudanças de hábitos que influenciam diretamente no sistema imunológico dos pequenos. É importante neste momento promover uma mudança de hábitos na rotina para garantir um retorno mais seguro das crianças ao ambiente escolar ou atividades externas. Recomendo que os pais levem em consideração alguns passos” relata o especialista.

·         Dieta equilibrada: é possível queos novos hábitos adotados na quarentena tragam alterações à saúde das crianças e, na volta ao convívio social, é importante contribuir para o reforço do sistema imunológico por meio da alimentação. Isso porque o consumo excessivo de alimentos processados pode gerar uma deficiência de nutrientes, acarretando falta de disposição e enfraquecimento do sistema de defesa, além de elevar a suscetibilidade a diarreias e infecções e comprometer a maturação dos sistemas nervoso, visual, mental e intelectual7.

·         Uso de probióticos: alimentação deficiente, novos hábitos de rotina e a falta de exposição a bactérias da natureza podem provocar a mudança da microbiota intestinal8, isso é, o conjunto de microrganismos e bactérias benéficas que povoam o trato gastrointestinal e colaboram para a saúde do sistema digestivo9.  Essa mudança pode acarretar o desbalanceamento de toda a rotina intestinal, com episódios frequentes de diarreia ou constipação. Nessa situação, a suplementação com probióticos é uma aliada no equilíbrio da flora intestinal, fortalecendo sua defesa e de todo o organismo10.

·         Prática de exercícios físicos regulares: muitas horas em frente à televisão e o computador trazem impactos para a saúde. De acordo com o Barômetro COVID-19, a principal pesquisa da Kantar11, desde o início do isolamento consumo de televisão pelos brasileiros permanece em patamares acima dos anteriores à crise. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que crianças de um a quatro anos de idade devem estar ativas por pelo menos 180 minutos ao longo do dia12.A retomada de caminhadas e pedaladas são essenciais para o retorno à rotina e o controle do peso.

·         Um pouco de sol: A vitamina D deve estar presente na rotina das crianças para promover a fixação do cálcio, solidificando a estrutura óssea e contribuindo para o crescimento e regulação dos sistemas imunológico, cardiovascular e musculoesquelético13. Banhos de sol de no mínimo 15 minutos, antes das 10h e após às 16h, são importantes para o fortalecimento da saúde e bem estar.

·         Higiene como foco: orientar os pequenos para a higienização frequente das mãos com água e sabão é um dos pilares essenciais na prevenção de infecções decorrentes da transmissão cruzada de microrganismos multirresistentes14 e fundamental para o retorno ao mundo externo. Essa atitude pode reduzir em até 30% a contaminação por vírus e bactérias causadoras de viroses, que provocam o desiquilíbrio da microbiota intestinal, levando aos quadros de diarreia15.

Meu filho ficou doente, e agora?

Por conta do isolamento social, as crianças, principalmente aquelas em idade escolar, deixaram de estar expostas a fatores naturais do clima. Este comportamento ocasionou, inclusive, a queda em atendimentos pediátricos em diversas regiões do mundo 16,17.

Mas, com o retorno ao convívio social, quadros de febre ou mal-estar podem acontecer. A indicação inicial do especialista é manter a criança em casa e observar. “Isso evita a propagação do vírus e a piora de um quadro que, na maior parte das vezes, é simples. Caso não perceba uma melhora efetiva na criança em dois ou três dias, procure prontamente o médico ou serviço de saúde”, alerta Pedreira.

Após a orientação e prescrição mandatória do pediatra, é possível controlar os quadros virais simples com o uso de medicamentos analgésico e antitérmico, para a redução de temperatura, alívio de incômodos e dores 18, além de dieta controlada e descanso. Outro ponto essencial, seja para este momento de pandemia ou qualquer outro cenário, é isolar a criança das atividades regulares.

Comente sobre esta matéria ;)