1

Norris lança o desafio em Silverstone

O primeiro dia de ação na pista para o GP da Grã-Bretanha foi realizado em um clima estereotipado do verão inglês. A temperatura ambiente nunca ultrapassou os 20°C, a pista oscilou entre os 20 e os 29°C e baixou consideravelmente quando começou a chover no final do TL2. Na verdade, a chuva intercalada com ocasionais curtas aparições do sol estava na ordem do dia para todas as três categorias na pista com pneus Pirelli hoje.

A McLaren deixou sua marca nesta sexta-feira, com Lando Norris sendo o mais rápido em ambas as sessões. No TL1, o inglês marcou sua melhor volta em 1min27s420, enquanto na segunda hora ele baixou para 1min26s549, o que é 171 milésimos mais rápido que o tempo da pole position do ano passado de 1min26s720 estabelecido por Max Verstappen. Esta tarde, três outros pilotos também ficaram abaixo da marca de 1min27s: Oscar Piastri (1min26s880), Sergio Perez (1min26s983) e Nico Hulkenberg (1min26s990). Nada menos que quatro jovens pilotos estiveram na pista no TL1, o inglês Oliver Bearman, o australiano Jack Doohan, o argentino Franco Colapinto e o francês Isack Hadjar – substituindo, respectivamente, os pilotos regulares Kevin Magnussen (Haas), Pierre Gasly (Alpine), Logan Sargeant (Williams) e Sergio Perez (Red Bull).

O DIA NA PISTA

Quanto ao uso de pneus, foi um dia bastante normal, com as equipes trabalhando na configuração do carro e na comparação dos pneus médios e macios em um stint longo. O duro foi o mais usado na primeira sessão: Lance Stroll foi o único piloto que não completou uma única volta com o C1, mas o usou em sua primeira entrada no TL2. Na segunda sessão, vale a pena notar que os pneus intermediários foram acionados por nove pilotos, que tiveram uma impressão inicial de seu funcionamento em uma pista que estava ficando cada vez mais molhada no final, tendo assim uma pequena quantidade de informações que poderiam ser úteis para o fim de semana, já que a previsão do tempo é variável, para dizer o mínimo.

SIMONE BERRA – CHIEF ENGINEER

“Os dados mais interessantes de hoje são a redução significativa no tempo de volta em comparação ao ano passado, como pode ser visto pelo fato de que o melhor tempo de Norris já está quase dois décimos abaixo do tempo da pole de Verstappen em 2023. A menos que a classificação aconteça em pista molhada, é quase certo que o tempo da pole será significativamente inferior ao 1m26s1 previsto a partir da média das simulações recebidas das equipes. As temperaturas mais baixas, em comparação com o ano passado, definitivamente tiveram uma grande influência, mas também é verdade que em uma pista tão exigente e desafiadora, o potencial real dos carros deste ano vem à tona mais do que em qualquer outro circuito.

A partir de uma análise inicial dos dados das duas horas de treinos livres, podemos dizer, em primeiro lugar, que a diferença de desempenho entre os compostos está em linha com o que vimos há duas semanas em Barcelona, ou seja, cerca de meio segundo entre o duro e o médio e pouco mais de um segundo entre o médio e o macio. Em comparação com o ano passado, parece que o duro está funcionando melhor, tanto em um stint longo quanto em termos de desempenho puro, o que o coloca em jogo para a corrida, em vez do macio, que sofreu com um pouco de granulação hoje.”

 

image002.jpg

 

image003.jpg

 

image004.jpg

FÓRMULA 2

Foi um dia especial para Isack Hadjar, que pilotou a Red Bull na primeira sessão de treinos livres da Fórmula 1, antes de conquistar uma pole position muito importante na classificação da Fórmula 2 no final da sessão sob a ameaça de chuva, embora a pista tenha permanecido seca o tempo todo. O piloto francês da Campos Racing estabeleceu um tempo de 1m39s368, 251 milésimos mais rápido que o compatriota Victor Martins (1m39s619) da Art Grand Prix.

FÓRMULA 3

A chuva desempenhou um papel importante na classificação da Fórmula 3. A sessão começou em pista seca, mas depois uma forte chuva obrigou a troca para pneus de chuva. Quando a chuva abrandou, ainda parecia impossível voltar aos slicks, mas a pista secou rapidamente para que, nos minutos finais, todos tivessem mais uma oportunidade de baixar seus tempos. No final, a pole foi para o inglês Luke Browning (Hitech Pulse-Eight) com um tempo de 1m44s992, 44 milésimos mais rápido que o norte-americano Max Esterson (Jenzer Motorsport), que por sua vez foi 47 milésimos mais rápido que o francês Sami Meguetonif (Trident).

Comente sobre esta matéria ;)