1

Campanha Não se afogue

SPSP promove campanha para evitar afogamento de crianças e adolescentes

Em plena campanha do “NÃO SE AFOGUE” (https://www.spsp.org.br/2023/01/31/campanha-nao-se-afogue/), a Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) volta a ressaltar a importância de manter vigilância atenta de crianças pequenas, principalmente quando houver fontes de água próximas (piscinas, espelhos d´água, rios, lagos, etc. e até recipientes – baldes, por exemplo – com 3 a 5 cm de água, quantidade suficiente para que crianças pequenas se afoguem.

Nunca nade sozinho

Álcool e drogas não devem ser usados antes de nadar

Obedeça às placas de advertência em praias e piscinas

Supervisão de toque, a um “braço” de alcance para crianças menores de 5 anos ou maiores que não saibam nadar

Ensine maiores de 4 anos a nadar

Acesso restrito a piscinas

Falha de supervisão é um dos grandes responsáveis pelo afogamento

O uso de colete salva-vidas deve ser incentivado em todos os transportes e esportes aquáticos (exceção mergulho)

Guarda-vidas ou salva-vidas – procure nadar em locais que tenham esses profissionais

Um dispositivo de flutuação inadequado (boia de braço, por exemplo) é uma falsa ideia de proteção

Ensine a todos o Suporte Básico de Vida, incluindo o que fazer e não fazer no afogamento

Como se viu nessa reportagem, o bebê estava se afogando “silenciosamente”. Se não tivessem percebido, ele teria morrido afogado, no meio de tanta gente!

O afogamento é a principal causa de morte de crianças de 1 a 4 anos em nosso país. Precisamos acabar com isso. “NÃO SE AFOGUE”!

Comente sobre esta matéria ;)